segunda-feira, 10 de outubro de 2016

Novidades para Outubro

Estamos em um mês de mudanças, como vocês já notaram sou uma metamorfose ambulante, como diria Raul Seixas, sempre busca melhoras. Agora sou uma pessoa que tem apenas um emprego. Uma pessoa que estuda, que continua a busca pelo balanceamento entre trabalho, estudos e lazer. Vou me inscrever para dois concursos públicos do qual quero passar muito, pois que isso pode me proporcionar é incrível, qualidade de vida e uma nova percepção das coisas. Tudo isso requer disciplina e controle das coisas que podem atrapalhar meus estudos, farras desnecessárias, devia o foco com coisas sem importância. Tenho muita fé em mim e acredito que serie capaz de dribla muita coisa. Tenho sonhos e metas a serem realizadas. 

quinta-feira, 22 de setembro de 2016

Como mudar, no meio da crise

Estou em um momento importante da minha vida, eu crie esse momento, diante da crise, quero me organizar, para o próximo ano que irá começar, claro que isso dá um frio na barriga, um receio de como será as coisas daqui por diante. Vou sair de um dos meus empregos. E sou privilegiada por ainda ter outro emprego do qual gosto e quero realizar n’s coisas onde estou hoje. Mas vou ter disciplina e colocar minhas ideias em prática.  

Quanto dinheiro eu preciso poupar todo mês?

Bem, a resposta ideal é: guarde o maior valor possível todos os meses. Mas isso não ajuda muito, certo? Não há exatamente um valor certo a poupar, mas seria bom termos alguma espécie de parâmetros comparativos. Ou pelo menos algumas diretrizes para buscar o valor ideal para cada um.
1. Comece com um percentual pequeno de seu salário: 10%.
A maneira mais fácil de iniciar o hábito de poupar é guardar 10% do seu salário, religiosamente. Pode ser que em algum mês você poderá guardar mais e em outros meses menos. Se isso acontecer:
– Nos meses que você puder guardar mais, faça isso e considere o montante adicional como uma reserva.
– Nos meses que você não conseguir chegar nos 10%, use a sua reserva para completar a diferença.
Com isso você também já começará a criar outro hábito importante: sempre manter uma reserva para imprevistos.
A medida que o seu salário melhore e você tenha um melhor controle financeiro, vá aumentando gradativamente o percentual do seu salário que é poupado.
2. Defina um objetivo e um prazo para alcança-lo.
Dizem que todo rico foi, no passado, um pobre com um grande objetivo ou sonho. Ou seja, é sempre mais fácil de se motivar a poupar quando temos um objetivo bem definido. Por exemplo, comprar um imóvel, um carro, fazer uma viagem, etc.
Além do aspecto motivacional, o objetivo com prazo permite você calcular exatamente o valor que terá que poupar por mês. E assim também ficará mais fácil controlar se você está conseguindo seguir à risca o plano de realizar o seu objetivo.
3. Defina como será a sua aposentadoria.
Um dos objetivos de sua vida poderia ser a busca de uma aposentadora tranquila. Para isso, entenda quais são seus objetivos de longo prazo e quando eles deverão ocorrer. Isso lhe ajudará a melhor calcular o quanto você pode gastar hoje sem comprometer o futuro.
4. Analise a qualidade de vida que você está levando.
Há também uma outra maneira de medir se o quanto você está poupando é adequado ou não: analise a qualidade da vida que você está levando.
Se a sua vida é cercada de luxos e mimos constantes, provavelmente você está gastando muito! E consequentemente estará poupando pouco.
De preferência, também procure a opinião de alguma pessoa próxima que possa lhe dar uma opinião confiável: afinal, nesta situação a nossa própria opinião pode não ser tão isenta quanto deveria ser.

terça-feira, 13 de setembro de 2016

Porque sou de Peixes

Quando eu me sinto poética sonhando acordada, pensando em coisas que gostaria de fazer no futuro, Ouvindo músicas diferentes. Músicas essas que me deixar em paz e calma. E  relembrando coisas do passado, nostalgia de coisas boas que vivi e quero reviver. Nesse repertório tem
1-  Avo Rocha
2-  Cicero
3-   Edu Sereno
4-   Lady Gaga.
5-   E o meu clássico predileto espiritual Nirvana
6-  Alabama Shakes
7-  Belle and Sebastian
Assistir filmes incríveis
1-  Hoje quero voltar para casa sozinha
2-  O homem duplicado
3-  Já estou com Saudade
4-  XOXO a vida é uma festa

E li coisas incríveis

Vou colocar o link

Esse texto fala que não precisa ter opinião de tudo já pratico, não fico levantado questões no facetruque o utilizo o mesmo para divulgar vagas de empregos e ajudar pessoas desempregadas. Grupos de whastapp também peça. No meu caminho quero compartilhar amor e luz por ando passar. Esse blog também não faço divulgação ele meu nome é Virna da Costa Ponte.


Esse outro texto fala do feminismo


Esse já fala da rotina matinal e sua importância. E já estou colocando em prática algumas coisas.

E fiz a limpa dentro de casa. E estou me sentindo bem mais leve. Uffa. e fui ao cinema com os meus amigos assistir Acquarius

Uma viagem à história

E tão bom realizar uma viagem até a serra e no fim tomar aquele banho de cachoeira. Essa já é segunda viagem para serra com o intuito de explorar e conhecer o Maciço de Baturité  o que ele tem à oferecer. Ir até o Sítio de São Luis, foi algo incrível pela história que esse lugar guarda e se sentir super bem por proporcionar tudo isso ao meu filho.      Quero voltar mais vezes e conhecer um pouco mais à rota do café que existe na serra.







Olá Setembro

Vamos só falar de coisas boas.

1-  Frederico está bem de saúde graças a Deus e de cabelo cortado.
2-  Meu carro já foi devolvido e está lá tudo bem.
3-  A viagem para Maciço de Baturité foi lindo.
4-  Limpei a casa
5-  Armários da cozinha
6-  Limpei o quartinho da frente e montei uma pequena oficina para Robson.
Tenho tido dias mais poéticos e com músicas lindas.

Assistir vários filmes e li textos incríveis. Vou evitar comentar muitas coisas que estou fazendo para continuar dando certo. Só tenho que agradecer a Deus por tudo.


quarta-feira, 31 de agosto de 2016

No dia que bateram em meu carro.

O mês de agosto não acabou. OK?! Não irei culpar o mês, não tem nada haver o mês. Ainda mais porque é fim do mês. Na hora foi horrível. Moro em uma cidade litorânea, e a avenida principal na beira mar, é ótima para ter acesso para voltar para minha casa, e ir ao sindicato. E ontem estava caminho do sindicato e resolvi parar para os pedestres atravessar na faixa de pedestres, só que vinha um senhor atrás mais rápido e bateu em meu carro, fiquei chateada, nervosa, foi uma situação complicada, já estava atrasada para o sindicato, não fiquei discutindo com o cara peguei o cartão de visita dele, fui para o sindicato, saindo de lá já fui deixar o carro na oficina. Já estava mais calma. Então o colégio do meu filho me liga para avisar que ele estar com febre e devo ir busca-lo. Na hora pensei que dia. Que situação. Peguei um táxi. Fui pegar meu filho. Graças a Deus o senhor que havia batido no meu carro, foi a oficina a tarde, para pegar orçamento e acertar a questão do conserto do caro. Espero que dê tudo certo. A vida segue. Hoje vi para o trabalho de ônibus. Sai atrasada pq o Frederico vomitou e tive que medicar ele novamente. Tive que mandar ele pra escola mesmo assim hoje teve prova de matemática. Mas o deixei sobre aviso para qualquer coisa voltar para casa e ficar com os avós. Hoje é o aniversário do chefe da empresa. O dia estar festivo e o clima é outro, comparado à ontem. Descobri que estou com um machucado na lombar, por conta da batida. Só tenho que agradecer à  Deus por tudo. Estou bem e agora é trabalhar e buscar a ter dias melhores. Frederico estar só com a garganta inflamada mas logo está bem.

terça-feira, 30 de agosto de 2016

O dia em que Gene Wilder morreu

No dia em que o Gene Wilder faleceu, um dos casais mais famosos da televisão brasileira se separam, e Bel Pesce, teve dificuldades para montar o seu próprio negócio.Não conhecia ela e nem sua história. Essa última situação é de uma jovem empreendedora que vendeu seu nome e sua história de vida. E lançou dois livros e lotou sala de palestras cobrando atitude de jovens que desejam empreender ou crescer profissional, mas que até então não tinha montando seu próprio negócio. E que ao tentar fazer seu próprio negócio fracassou. Beleza até ai tudo bem, ela pode se reergue e seguir o caminho dela normalmente. E nova e inteligente e não será a última vez que iremos ouvir falar dela.
Mas me levantou um questionamento... Quantas pessoas estão na internet vendendo uma ideia? Um estilo de vida? Um padrão de vida? E quantos seguidores acompanham essas pessoas. E acabam se perdendo em ideias de outras pessoas. Tudo bem... não vamos falar que isso serve para todos. Tem aqueles que crescem e aprendem bastante com ideias revolucionárias achadas na internet.  E o eu q quero com esse blog? Nada! Apenas colocar o que penso e vivo no meu dia-a-dia não quero me tornar uma influência da internet, até porque não divulgo meu blog nem para meus amigos. (Minha escrita não é boa). Onde quero chegar é colocar em prática ideia e projetos pessoais e realizar grandes coisas, por mim, para mim se isso vai melhorar a vida de outras, com tempo irei saber.


segunda-feira, 29 de agosto de 2016

quarta-feira, 24 de agosto de 2016

Colocando em prática e se colocando em prática

Ontem fui correr no fim de semana passada, fui andar de bike e depois fui andar de skate, e ontem fui correr. Me sentindo a garotona mais fiquei foi passando e tive que mudar a minha corrida para uma caminhada, tenho que melhor condicionamento físico. Quero me sentir bem fisicamente, ter mais disposição é dormir melhor. Quero ter saúde, já não tomo refrigerante, falta diminuir a gordura dá minha alimentação. 

terça-feira, 23 de agosto de 2016

Quando está corrida demais.

Sabe quando os dias estão uma loucura, e você, pensa no fim de semana vou escrever e depois vou ler minhas revistas e livros. Mas simplesmente a rotina e as obrigações não deixam. No trabalho está corrido, isso bom graças Deus. Tenho meu trabalho!! Já as aulas diminuíram horrores!!

Facebook uso só para compartilhar as vagas de emprego. E quando deixo de fazer isso, as pessoas vem até a mim por inbox pedi para continuar a divulgar as vagas. E tenho certeza que estou ajudando alguém em algum lugar.

No instagram estou seguindo trinta pessoas, foi legal que quando eu excluir todas as pessoas que seguia, o aplicativo me bloqueou, pois pensava que alguém havia invadido a conta. Agora só vou seguir coisas bacanas que eu curta de verdade.

Tenho várias listas pra fazer de coisas para comprar pra casa, e de coisas para comprar para mim e pros meus meninos. Tenho que resolver isso o quanto antes.

Estou focada e determinada dá inicio à um projeto ambiental lindo e tenho fé que irá dá certo.


E ainda tem as viagens. E quero continuar com o meu blog que serve mais de diários e ninguém ler. 

segunda-feira, 8 de agosto de 2016

Quando você faz coisas diferentes no seu FDS

Sai pra beber com um amigo mesmo que poucas horas sozinha, enquanto seu companheiro está trabalho.
Cortar seu próprio cabelo.

Visitar a família. Não fazer plano e deixar a vida te levar, fazer uma tatuagem que nem estava no seu plano. E aproveitar o fim de semana com seu companheiro e filho. Tem coisas aqui que sempre faço, esse fds não teve roteiro, e também faltei a aula da pós graduação. Era matemática financeira e queria dormir pois isso me faz um bem danado. 

quinta-feira, 4 de agosto de 2016

Meu próximo livro do Mário Sérgio

Segunda-feira, seis da manhã. O despertador toca e você não quer sair da cama. Está cansado? Ou não vê sentido no que faz?
Na introdução de seu novo livro, o filósofo e escritor Mario Sergio Cortella coloca em poucas palavras o questionamento central da obra, Por que fazemos o que fazemos?. Lançada em julho, ela trata da busca por um propósito no trabalho, uma das maiores aflições contemporâneas.
Em entrevista à BBC Brasil, Cortella, também doutor em educação e professor, fala como um mundo com muitas possibilidades levou as pessoas a negar que sejam apenas mais uma peça na engrenagem. E explica como a combinação de um cenário imediatista, anos de bonança e pais protetores fez com que a "busca por propósito" dos jovens seja muitas vezes incompatível com a realidade.
"No dia a dia, a pessoa se coloca como alguém que vai ter um grande legado, mas fica imaginando o legado como algo imediato", diz.
Essa visão "idílica", diz o filósofo, torna escritórios e salas de aula em palcos de confronto de gerações.
"Parte da nova geração chega nas empresas mal-educada. Ela não chega mal-escolarizada, chega mal-educada. Não tem noção de hierarquia, de metas e prazos e acha que você é o pai dela."
Leia os principais trechos da entrevista abaixo:
BBC Brasil - O que desencadeou a volta da busca pelo propósito?
Mario Sergio Cortella - A primeira coisa que desencadeou foi um tsunami tecnológico, que nos colocou tantas variáveis de convivência que a gente fica atordoado.
A lógica para minha geração foi mais fácil. Qual era a lógica? Crescer, estudar. Era escola, e dependendo da tua condição, faculdade. Não era comunicação em artes do corpo. Era direito, engenharia, tinha uma restrição.
Essa overdose de variáveis gerou dificuldade de fazer escolhas. Isso produz angústia em relação a esse polo do propósito. Por que faço o que estou fazendo? Faço por que me mandam ou por que desejo fazer? Tem uma série de questões que não existiam num mundo menos complexo.
Não foi à toa que a filosofia veio com força nos últimos vinte anos. Ela voltou porque grandes questões do tipo "para onde eu vou?", "quem sou eu?", vieram à tona.
BBC Brasil - Podemos dizer que nesse contexto vai ser cada vez menor o número de pessoas que não tem esses questionamentos?
Mario Sergio Cortella - Cada vez menor será o número de pessoas que não se incomoda com isso. O próprio mundo digital traz o tempo todo, nas redes sociais, a pergunta: "por que faço o que faço?", "por que tomo essa posição?". E aquilo que os blogs e os youtubers estão fazendo é uma provocação: seja inteiro, autêntico. É a expressão "seja você mesmo", evite a vida de gado.
BBC Brasil - No seu livro, você fala da importância do reconhecimento no trabalho. Qual é ela?
Mario Sergio Cortella - O sentir-se reconhecido é sentir-se gostado. Esse reconhecimento é decisivo. A gente não pode imaginar que as pessoas se satisfaçam com a ideia de um sucesso avaliado pela conquista material. O reconhecimento faz com que você perca o anonimato em meio à vida em multidão.
No fundo, cada um de nós não deseja ser exclusivo, único, mas não quer ser apenas um. Eu sou um que importa. E sou assim porque é importante fazer o que faço e as pessoas gostam.
BBC Brasil - Pelo que vemos nas redes sociais, os jovens estão trazendo essa discussão de forma mais intensa. Você percebeu isso?
Mario Sergio Cortella - Há algum tempo tenho tido leitores cada vez mais jovens. Como me tornei meio pop, é comum estar andando num shopping e um grupo de adolescentes pedir para tirar foto.
Uma parcela dessa nova geração tem uma perturbação muito forte, em relação a não seguir uma rota. E não é uma recuperação do movimento hippie, que era a recusa à massificação e à destruição, ao mundo industrial.
Hoje é (a busca por) uma vida que não seja banal, em que eu faça sentido. É o que muitos falam de 'deixar a minha marca na trajetória'. Isso é pré-renascentista. Aquela ideia do herói, de você deixar a sua marca, que antes, na idade média, era pelo combate.
O destaque agora é fazer bem a si e aos outros. Não é uma lógica franciscana, o "vamos sofrer sem reclamar". É o contrário. Não sofrer, se não for necessário.
Uma das coisas que coloco no livro é que não há possibilidade de se conseguir algumas coisas sem esforço. Mas uma das frases que mais ouço dos jovens, e que para mim é muito estranha, é: quero fazer o que eu gosto.
BBC Brasil - Esse é um pensamento comum entre os jovens quando se fala em carreira.
Mario Sergio Cortella - Muito comum, mas está equivocado. Para fazer o que se gosta é necessário fazer várias coisas das quais não se gosta. Faz parte do processo.
Adoro dar aulas, sou professor há 42 anos, mas detesto corrigir provas. Não posso terceirizar a correção, porque a prova me mostra como estou ensinando.
Não é nem a retomada do 'no pain, no gain' ('sem dor, não há ganho'). Mas é a lógica de que não dá para ter essa visão hedonista, idílica, do puro prazer. Isso é ilusório e gera sofrimento.
BBC Brasil - O sofrimento seria o choque da visão idílica com o que o mundo oferece?
Mario Sergio Cortella - A perturbação vem de um sonho que se distancia no cotidiano. No dia a dia, a pessoa se coloca como alguém que vai ter um grande legado, mas fica imaginando o legado como algo imediato.
Gosto de lembrar uma históra com o Arthur Moreira Lima, o grande pianista. Ao terminar uma apresentação, um jovem chegou a ele e disse 'adorei o concerto, daria a vida para tocar piano como você'. Ele respondeu: 'eu dei'.
Há uma rarefação da ideia de esforço na nova geração. E falo no geral, não só da classe média. Tivemos uma facilitação da vida no país nos últimos 50 anos - nos tornamos muito mais ricos. Isso gerou nas crianças e jovens uma percepção imediatizada da satisfação das necessidades. Nas classes B e C têm menino de 20 anos que nunca lavou uma louça.
BBC Brasil - Quais as consequências dessa visão idealizada?
Mario Sergio Cortella - Uma parte da nova geração perde uma visão histórica desse processo. É tudo 'já, ao mesmo tempo'. De nada adianta numa segunda castigar uma criança de cinco anos dizendo: sábado você não vai ao cinema. A noção de tempo exige maturidade.
Vejo na convivência que essa geração tem uma visão mais imediatista. Vou mochilar e daí chego, me hospedo, consigo, e uma parte disso é possível pelo modo que a tecnologia favorece, mas não se sustenta por muito tempo.
Quando alguns colocam para si um objetivo que está muito abstrato, sofrem muito. Eu faço uma distinção sempre entre sonho e delírio. O sonho é um desejo factível. O delírio é um desejo que não tem factibilidade.
BBC Brasil - Muitos deliram nas suas aspirações?
Mario Sergio Cortella - Uma parte das pessoas delira. Ela delira imaginando o que pode ser sem construir os passos para que isso seja possível. Por que no campo do empreendedorismo existe um nível de fracasso muito forte? Porque se colocou mais o delírio do que a ideia de um sonho.
O sonho é aquilo que você constrói como um lugar onde quer chegar e que exige etapas para chegar até lá, ferramentas, condições estruturais. O delírio enfeitiça.
BBC Brasil - Qual é o papel dos pais para que a busca pelo propósito dos jovens seja mais realista?
Mario Sergio Cortella - Alguns pais e mães usam uma expressão que é "quero poupar meus filhos daquilo que eu passei". Sempre fico pensando: mas o que você passou? Você teve que lavar louça? Ou está falando de cortar lenha? Você está poupando ou está enfraquecendo? Há uma diferença. Quando você poupa alguém é de algo que não é necessário que ele faça.
Tem coisas que não são obrigatórias, mas são necessárias. Parte das crianças hoje considera a tarefa escolar uma ofensa, porque é um trabalho a ser feito. Ela se sente agredida que você passe uma tarefa.
Parte das famílias quer poupar e, em vez de poupar, enfraquecem. Estamos formando uma geração um pouco mais fraca, que pega menos no serviço. Não estou usando a rabugice dos idosos, 'ah, porque no meu tempo'. Não é isso, é meu temor de uma geração que, ao ser colocada nessa condição, está sendo fragilizada.
BBC Brasil - Sempre lemos e ouvimos relatos de conflitos de gerações entre chefes e subordinados, alunos e professores. Como se explicam esses choques?
Mario Sergio Cortella - Criou-se um fosso pelo seguinte: uma criança ou jovem é criado por adultos, que são seus pais e mantêm com eles uma relação estranha de subordinação. A geração anterior sempre teve que cuidar da geração subsequente e essa vivia sob suas ordens.
A atual geração de pais e mães que têm filhos na faixa dos dez, doze anos, é extremamente subordinada. Como há por parte dos pais uma ausência grande de convivência, no tempo de convivência eles querem agradar. É a inversão da lógica.
Essa lógica faz com que, quando o jovem vai conviver com um adulto que sobre ele terá uma tarefa de subordinação, na escola ou trabalho, haja um choque. Parte da nova geração chega nas empresas mal-educada. Ela não chega mal-escolarizada, chega mal-educada.
Não tem noção de hierarquia, de metas e prazos e acha que você é o pai dela. Obviamente que ela também chega com uma condição magnífica, que é percepção digital, um preparo maior em relação à tecnologia.

terça-feira, 2 de agosto de 2016

Como ser uma boa mãe e motivo de orgulho para filho

Ter um bom filho em casa sempre é o sonho de todos os pais. Mas você tem que entender que nessa relação, você também teve ser uma boa mãe e um exemplo.
Invisto nele e as vezes  é necessário apertar bastante o orçamento para garantir uma boa fonte de conhecimento para o pequeno e o mínimo que  pode fazer. Deixo isso bem claro para ele que me esforço e faço o possível e o impossível. Mas para isso ele teve merecer, retribuir com pequenas responsabilidades diárias. O estudo também é um primeiro passo a estabilidade financeira e bons salários, garantindo um bom futuro financeiro para a próxima família do filho: a que ele vai formar como chefe. 

“Filhos mentirosos jamais ganham a confiança dos pais e acabam por viver um eterno desafio em seu núcleo familiar para provar a verdade.”

 Isso vem do exemplo ser honesta sempre, e agir de maneira ética com a criança, não enganar a criança, criar falsas expectativas, e quando prometer cumprir e se realmente tiver que quebra uma promessa, explicar o porquê... manter um dialogo saudável. E falar não sempre que for necessário.
Essa relação é de confiança e conquista. Os pais têm que se mostrar abertos.


Minha relação com o refrigerante, acabei

Estou à um mês sem tomar refrigerante, nada de coca-cola, São Geraldo, e já tenho notado uma melhora na pele.
·        “Além do açúcar em grande quantidade, os refrigerantes contém sódio e diversas substâncias artificiais que não fazem bem à nossa saúde".
·        "Os refrigerantes possuem grande quantidade de sódio, principalmente os zero e light, e por isso aumentam a retenção de líquidos".
Nada de inchaços ou retenção de líquido. Melhora o transito intestinal. Tudo isso eu já via buscando maneiras de combate, agora falta, diminuir o café. Sou apaixonada por café, mas não posso  exagerar, e as vezes eu acabo exagerando, agora busco fazer pequenos lanches.  Barra de cereal, biscoito integral, iogurte, se for tomar café é café-com-leite-sem-lactose.  Criando hábitos saudáveis de variar formas, alimentação e espiritual. Quero criar vergonha na cara e começar à pratica exercícios.  Sempre, que possível após o almoço, estou tirando um cochilo, isso é terapêutico.

terça-feira, 26 de julho de 2016

Minha luz em minha vida

Hoje é aniversário do meu filho, o que posso falar, ele é minha luz e motivo por seguir adiante nessa vida. Quero se um ser humano melhor para servi de modelo e exemplo, na caminhada dele. Todos os anos faço uma declaração de amor no facebook, expondo o quando essa data é importante na minha vida, só que hoje eu pense porque dessa exposição?! Qual a necessidade das pessoas saberem o quando essa data é importante?! quando na verdade só interessa a mim e a ele em questão por isso, vou fazer diferente, não vou expor nada. E detalhe !!hoje também é dia dos avós e nessa data perdi minha mãe, então além de ter ganhando a pessoa mais importante no meus dias, também pedi alguém que é importante, mas tenho a presença espiritual e sua proteção divina. Não é isso. Os dias estão corrido. Isso é bom manter a mente ocupada. 

Quando sua vida profissional precisa de um agito

Tenho duas profissões, durante o dia sou responsável pelo setor de uma empresa, e a noite ministro aula. Ministrar aula estava ficando algo morno sem muita perspectivas, ir para sala de aula não era mais algo que despertava grandes emoções. Mas no último mês descobri coisas que vem acontecendo nos bastidores da escola onde ministro aula, perseguição(entre profissionais) e mudanças administrativas. E ter um colega de trabalho em especial que faz um jogo sujo e baixo. Aquele tipo de pessoa que se diz profissional mas que  na verdade o desejo dele é de prejudicar para ganhar mais e manter uma imagem sua que não condiz com a realidade. Fiquei triste por ele, apenas. Não fiquei mal, por que não posso ficar mal pela as atitudes dos outros. Só que para mim foi visto como um desafio, estou precisando renovar minhas aulas, me dedicar mais ao meus alunos, enquanto eu estiver em sala de aula. Sabe aquela história dá o seu melhor.  Não que eu queria ficar lá por resto da vida, apenas porque isso é o certo para mim. Quando eu sair de lá quero que as pessoas digam coisas pessoas ao meu respeito e todos vão saber que é verdade. Eu ganho com esse tipo de atitude de encarar tudo como um desafio e os alunos ganham também. Por terem uma professora mais dedicada. 

Quando as coisas começam a dá errado

Pequenos sinais de que as coisas não vão dá certo. O universo tenta de avisa e você insiste em não ouvir, no sexta ao chega na escola onde trabalho, fui estacionar o carro, e resolvi colocar ao lado do caminhão enorme, seguindo a orientação do guarda do estacionamento, mesmo tendo vagas bem melhores, fui na onda dele. Pensei: -Ah ele não deve sair agora. Quando voltei meu retrovisor estava quebrado. L
Depois no sábado uma amiga me convidou para o samba, não estava muito afim mais acabou meio que tudo me direcionando para esse evento, pedi para ele me pega em casa, ela gentilmente se colocou a disposição. Mas o carro ficou no prego, fui resgatar ela, e levar ela para casa, para ele buscar outro carro. Na hora pensei não devo ir melhor ficar em casa. Mas já estava arrumada. Então vamos. Quando chego lá a primeira pessoa que vejo meu ex- com sua atual esposa. Meu atual estranhou todos da turma falando com esse tal sujeito, e perguntou:
- Quem é?
- é um amigo. Eu respondi.
-Amigo de quem? . Ele me perguntou.
- Meu. Respondi.
- Ele é seu ex!?
- Sim, mas ainda bem que ninguém aqui é criança. E podemos continuar a curtir a noite.
 Só pra completa a sola do meu tênis começou a sair e não podia sambar. Fui comprar chiclete para colocar a sola não deu muito certo. Tudo bem. Voltei para casa mais cedo. Ainda teve a parte recompensadora, reencontrar um ex-colega de trabalho pega o contato dele para um futuro projeto profissional. Isso foi bom.

No domingo, fomos ver um show no centro de cultural da cidade, levei meu pequeno, meu filhote, só que esqueci de levar a identidade dele. E fiquei tentando entrar no lugar errado com ele, para o show errado, depois de stress e momento tenso, lembrei que o show poderia está rolando do outro lado do centro cultura, pois diz que o show era do lado, não precisava de identidade censura livre e perdemos apenas 20 minutos do show. Ontem na segunda feira, sofri uma tentativa de assalto, quando estava indo de um trabalho para outro. Estava parada em um semáforo, um cara me abordou, pediu para passar o celular, disse que estava sem celular, ele observou na parte interna do carro e não viu celular visível, pediu a aliança, mas não uso joias, quando ele percebeu, que eu não tinha nada e estava tranquila, ele ainda teve audácia de aperta minha mal e falar que era uma brincadeira. E saiu sorrindo entre os carros como se nada tivesse acontecido. Foda. Só que tive um pequena surpresa no caminho indo para o trabalho um carro parou ao meu lado para pergunta se eu estava bem, ainda existe pessoas gentis pensei, e ai elas relataram que tinha sido assaltadas no mesmo lugar na semana passada no mesmo local. O importante é que estou bem, e a vida segue. 

segunda-feira, 18 de julho de 2016

Sartuday from Sunday

Depois de um sábado puxado pela manhã pós-graduação, e tudo mais, dormi a tarde toda, depois fui ao mercado, e noite resolvi ficar em casa, e acabei dormindo cedo.
No domingo logo pela manhã bem cedo (para um domingo), fui para cozinha fazer meu cuscuz com ovo. Delícia de culinária nordestina. Passei o resto do dia limpando a casa, e colocando roupa para lavar, vida de dona de casa. Depois do almoço tem aquele trabalho abençoado da pós graduação. Deu tudo certo. Mais um projeto de vida profissional feito e enviado ao professor.

Fui à praia tomar aquele banho renovado de mar, tomar minha água de coco na beira da praia. E para minha surpresa a Praia de Iracema, entre do aterrinho e Estoril, agora é um refúgio para famílias e amigos que queirão ver um belo pôr-do-sol, tomando aquele vinho, fazendo um verdadeiro piquenique, a criançada brincando, seus pets se divertindo, ler um livro, tomando uma água ou uma cerveja, e ai têm a galera da marola. Energias renovadas para a semana. À noite terminei com um jantarzinho e arrisquei fazer o meu primeiro frango a passarinha. Ficou ótimo e antes teve bruaca nordestina com nutella e molho de barbecue.





Achei o bar que estava procurando

Finalmente no meu projeto de encontrar um bar bacana, para as minhas sextas-feiras à noite, finalmente encontrei um. Mas não antes de ir até um local, pensando que poderia ser bacana por conta da cerveja que eles oferecem por lá. Só que chegando lá era mais um barzinho que toca sertanejo universitário e o perfil da galera não é bem o meu tipo. Então no estacionamento do local desisti de lá. E fui até um local que passava no caminho para casa, depois do trabalho. E diz aí que que o local simplesmente é incrível. Lindo na sua estrutura e decoração, o dono do local um simpático, o garçom um fofo e cerveja super gelada. Me conquistou. Detalhe preço justo e galera que frequenta também tem mais o meu perfil e as músicas que tocam é minha playlist. Então fiquei a vontade. 



Fabrika Bar 1650

Rua Padre Valdevino, 1650 - Joaquim Távora, Fortaleza - CE, 60135-041

quinta-feira, 14 de julho de 2016

Dá para viver só com pagamentos à vistas?

Ninguém tem a fórmula mágica para livrar-nos de todo endividamento. Mas se você vive com as contas no vermelho e já tentou de tudo para sair desta situação, uma solução talvez seja tentar eliminar de vez as compras no cartão (débito ou crédito) e pagar tudo em dinheiro e à vista.

Comentário Pessoal: Eu já fiz quase de tudo, não vivo no vermelho, mas vivo apertada, o que recebo é suficiente para me manter, nada além disso. Então quando preciso fazer algo além como comprar uma peça para carro, um eletrônico e um passeio. Lá esta eu usando o cartão de crédito de novo. E ultimamente até a parte de educação, estou utilizando o cartão para pagar meu curso de pós e até o curso de robótica de meu filho. Não que isso esteja de certa forma errado, a questão é que não é algo muito caro, a ponto de ter a necessidade de parcelar no cartão.

Loucura?
Pode ser que isto seja um pouco radical, mas problemas complexos exigem soluções radicais, certo?
Já escrevemos aqui sobre as grandes vantagens que um cartão de crédito, quando bem utilizado, pode trazer às finanças pessoais. Mas quando mal utilizado, ele se torna um grande vilão, facilitando o gasto sem cobertura e levando ao endividamento.
Se você está nesta situação, veja o passo a passo para adotar esta solução mais drástica e ousada!
1. Escolha algumas categorias de gastos para o pagamento à vista.
Não é preciso pagar tudo com dinheiro. Na verdade, o mais importante é escolher aquelas categorias de gastos que você constantemente acaba se excedendo. Pode ser as despesas com restaurante, lazer, roupas ou aparelhos eletrônicos.
Se você não tiver condição nem de priorizar estas categorias, então trate logo de fazer um Orçamento Doméstico! E escolha todas as categorias para fazer este experimento!


Comentário Pessoal: Ir ao restaurante, sair para beber com os amigos ou ir ao supermercado e paga a conta com o cartão de crédito, significa pedir dinheiro emprestado. E tipo ei empresta ai R$50,00 reais para comprar uma pizza próximo mês eu te pago. Como você passar a ter essa visão. Você evita cometer esse tipo de erro financeiro.

2. Pare de usar o seu cartão para estas categorias.
A parte mais difícil vem após a escolha das categorias: é preciso parar de usar o cartão.
Você pode adotar algumas técnicas como deixar o cartão em casa ou escondê-lo debaixo do banco do carro, para dificultar o acesso. Mas o importante é que você não caia no esquecimento (e nem na tentação) de puxar o ‘plastiquinho’ para fazer qualquer pagamento nas categorias escolhidas.
3. Crie um sistema para separar o dinheiro para cada despesa.
De nada vai adiantar pagar somente em dinheiro se você não se planejar. Como a maioria das pessoas é assalariada, normalmente recebemos uma ou duas vezes por mês; mas as despesas ocorrem diariamente.
Um método simples é separar o dinheiro para cada categoria, assim que você receber o seu salário. Você pode colocar em envelopes para deixá-los bem separados ou controlar em uma planilha.
Lembre-se que dinheiro é tudo igual. Assim você tem que criar algum mecanismo que lhe mostre claramente o quanto tem para gastar, por cada categoria, até o próximo recebimento.
4. A cada manhã, pegue somente o dinheiro que irá precisar para aquele dia.
Este método exigirá que você faça um planejamento diário dos seus gastos, já que a cada manhã você tem que separar somente o valor que gastará no dia, para levar na sua carteira.
Pense no quanto vai gastar em cada categoria … e tente finalizar o dia com algum dinheiro no bolso.
5. Vá ajustando os valores e as categorias.
Bem, sabemos que este método não é infalível. Por isso, vá ajustando o quanto gastar e quais categorias controlar. Mas lembre-se que o objetivo final é sempre gastar menos do que se ganha.
 Fonte: http://minhaseconomias.com.br/blog/financas-pessoais/da-para-viver-com-pagamentos-vista